Descubra agora o que é Inbound Marketing e como deve ser feito

Melhorar os indicadores de vendas é muito importante para qualquer empresa. Por isso, é natural que os empreendedores estejam atentos às novas técnicas de marketing. No entanto, mais importante do que conhecê-las é compreender como elas funcionam e como podem ser aplicadas ao seu negócio. Pensando nisso, resolvemos responder a uma pergunta que está na cabeça de muitas pessoas: o que é Inbound Marketing?

Você já deve ter ouvido falar desse termo — e dos resultados que ele apresenta. Contudo, será que o Inbound Marketing realmente faz sentido para todos os segmentos? O que deve ser feito para iniciar essa estratégia? Neste artigo, vamos abordar essas e outras questões. Vamos lá?

Entendendo o que é Inbound Marketing

O Inbound Marketing surgiu nos Estados Unidos, no ano de 2005, criado por Brian Halligan, fundador da Hubspot. No entanto, as principais diretrizes dessa estratégia estão presentes no livro “Permission Marketing” — Marketing de Permissão, na tradução — publicado em 1999.

Naquele momento, a internet ainda se desenvolvia e estava distante do que é hoje. Por isso, é interessante parar para analisar o que o internauta tem atualmente que ele não tinha há algumas décadas.

Ao contrário do telespectador, do ouvinte e do leitor, o internauta não está refém do que lhe é imposto pelos canais de mídia. Em todos esses sistemas, as empresas oferecem conteúdo e, de vez em quando, esse conteúdo é interrompido por publicidade.

Isso não quer dizer que essa lógica esteja obsoleta — tanto é que o comercial do Super Bowl é um evento aguardado por milhões de pessoas. Apenas agora as pessoas têm tantas opções de conteúdo que talvez não haja tempo para intercalar sempre a publicidade nesse consumo.

Sendo assim, as empresas perceberam que elas também poderiam oferecer conteúdo ao cliente, com o objetivo de informá-lo, entretê-lo e atraí-lo. Por isso, o Inbound Marketing também é conhecido como “marketing da atração”.

Inbound Marketing e Marketing de Conteúdo

Talvez você esteja se questionando sobre as diferenças entre marketing de conteúdo e Inbound Marketing, pois, à primeira vista, tudo pode parecer muito semelhante.

Bem, o marketing de conteúdo foi criado com o objetivo de educar as pessoas sobre um determinado tema, fazendo com que uma marca se torne mais conhecida e passe a ser considerada como uma opção pelo consumidor quando o momento da compra chegar.

Ao contrário do que muita gente imagina, o marketing de conteúdo é antigo. Em 1895, John Derre criou a revista The Furrow. O objetivo da revista era trazer assuntos pertinentes aos agricultores ou pessoas que se interessavam por agricultura e que, eventualmente, precisariam comprar um trator da marca Jonh Derre. A publicação ainda está circulando e, logicamente, hoje, conta com um site.

Sobre essas duas estratégias de marketing, podemos concluir que elas não são a mesma coisa e que não existe Inbound Marketing sem marketing de conteúdo — embora o contrário não seja verdade.

Etapas do funil de vendas

Bem, como qualquer estratégia de marketing, o objetivo do Inbound é ajudar a empresa a vender. Por isso, essa ação conta com algumas etapas que estão dentro de um “funil de vendas”. O termo pode parecer engraçado, mas ele se encaixa perfeitamente nesse processo.

Topo do funil

A primeira etapa do funil de vendas tem como objetivo atrair as pessoas. Por isso, o marketing de conteúdo é bem-vindo nesse momento. A empresa produzirá conteúdos relevantes, que consigam prender a atenção do leitor/ouvinte/espectador e fazer com que a sua marca ganhe credibilidade com esse indivíduo.

Normalmente, o conteúdo do topo do funil responde a uma dúvida das pessoas, algo que não precisa estar tão ligado assim com o produto final — e nem a intenção de vender algo aparece nessa etapa do funil.

Meio do funil

No meio do funil de vendas, o objetivo passa a ser o início da conversão desse visitante em um cliente. Aqui, surgem as chances de gerar leads para o seu time de vendas também pelo conteúdo oferecido.

O conteúdo também já está um pouco mais específico, pois a ideia é criar leads qualificados e não ter vários contatos de pessoas que não têm interesse na sua marca — e que desperdiçarão o tempo dos seus vendedores.

Fundo do funil

Os conteúdos produzidos nessa etapa são ainda mais segmentados e têm como meta converter o visitante em cliente. Temas relacionados à sua marca, como o modo de usar determinado produto, o custo de planos etc., serão os assuntos tratados pelos conteúdos do fundo do funil.

Nesse estágio, a empresa já sabe que o leitor tem interesse no produto ou serviço, bastando a ela reverter possíveis objeções e reafirmar as qualidades do que comercializa — sempre se lembrando de que o conteúdo deve ser informativo e não comercial.

Depois que a venda é fechada, o trabalho de Inbound Marketing não para. Novos conteúdos podem ser produzidos para encantar o cliente, de modo que ele se torne um promotor da marca, indicando-a a seus amigos ou se sentindo ainda mais à vontade para voltar a fazer negócios com a companhia.

Erros comuns que devem ser evitados

Criar conteúdos que não atendam às necessidades do seu público é um erro crasso nessa estratégia, uma vez que afugenta as pessoas e prejudica a imagem da marca.

Também é preciso criar ações de promoção desse conteúdo, sendo que o modo mais fácil de fazer isso é investindo em técnicas de SEO e promoção via marketing digital. Deixar o seu material parado, aguardando que o leitor o encontre por acaso é um desperdício de recursos.

O conteúdo ainda deve ter linguagem, formato e tamanho adequado à persona. Lembre-se de que você quer atrair as pessoas com esse material. Por isso, faça testes para descobrir o que funciona melhor e o que deve ser evitado.

Acertando no Inbound Marketing

O que é Inbound Marketing você já sabe. Agora, precisa entender como aplicar essa estratégia com sucesso. O primeiro passo é definir as personas do seu negócio, isso quer dizer o cliente que você quer atingir — onde essa pessoa mora, o que ela faz, quais temas chamam a sua atenção etc.

Não se trata de definir uma faixa de um público, mas de realmente dar um rosto, uma personalidade a esse cliente hipotético. Para isso, vale a pena se debruçar sobre as métricas das redes sociais, Google Analytics e pesquisas de opinião para criar uma persona adequada.

Você ainda pode automatizar etapas do seu Inbound Marketing, como o disparo de e-mails e a análise de dados. Usar o marketing digital, como o SEO, o Google e Facebook ADS, também é fundamental.

Aliás, o Inbound Marketing não é uma técnica que exclui as outras. Você pode usá-la em conjunto com o Outbound Marketing, o marketing digital etc. Basta, apenas, que você saiba o que espera de cada uma delas.

Como vimos, responder à pergunta: “O que é Inbound Marketing?” não é uma tarefa tão difícil assim. O importante é que você entenda que criar conteúdo é uma maneira de fazer com que o seu cliente se sinta atraído pela sua marca, procurando-a para saber das novidades e ficando cada vez mais próximo dos seus produtos.

Gostou deste conteúdo? Então, curta nossa página no Facebook para não perder nossos próximos posts.

You May Also Like

Closeup of woman doing online shopping on digital tablet at cafeteria. Woman buy elegant shoes on online market website. Back view of two girls using digital tablet to shop online.

Funil de vendas: o que é, quais as suas etapas e quais os seus benefícios para o negócio?

presença digital

Presença digital: descubra agora o que é e como conquistá-la

marketing digital combater a crise

Conheça 7 dicas de marketing digital para combater a crise

Automação de Marketing Tagon

Automação de marketing digital: o que é e como exponencia os resultados da empresa?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Bitnami